Levar o filho pra escola não pode ser um ato de coragem

Levar pra escola todos os dias é prazeroso. Quando passamos no André, moço das flores, Nina sempre fala como são bonitas. Na esquina seguinte gosta de sentir o cheiro do milho no carrinho do moço que aparece final de tarde, na volta, e às vezes vira nosso lanche em movimento. Nas outras duas quadras tem o Seu Cícero, moço que cuida deste trecho da rua e quando vamos à loja de produtos naturais ele  diz: “deixa a bike apoiada ali ó, eu cuido”. E assim já fizemos amigos e trocamos olhares simpáticos pelo caminho. Assim é pedalar até a escola para buscar a criança, transportar as pequenas criaturas que ora cantam, ora observam ou participam da vida da cidade com um olhar único, um olhar diferente, sem vidros negros, ar condicionado ou qq eletrônico que possa alienar. Curtir o caminho num ritmo tranquilo é assim na ida e volta da escola, numa cicloviagem …

Ontem um pai perdeu a vida indo buscar o filho na escola na cidade de São Paulo e a cicloviajante Johanna Eklö está no Instituto Médico Legal de Rio Branco após ser atropelada por um cara a mais de 100Km/h na estrada de Epitaciolândia, no interior do Acre. Ambos perderam a vida pedalando. Num ato de paz, amor, bem querer eles pedalavam. Um por sonho e outro por necessidade, não importa. Ambos utilizavam o modal mais “na paz” que pode existir e basta conduzí-lo assim que o mundo sorri. Pedalar é um das melhores sensações, senão a melhor que um ser humano pode experimentar e morrer assim, não tô nem conseguindo escrever.

Já ouvi a expressão:

“Não tem espaço pra você levar a sua filha pra escola de bicicleta. Leve de carro ou a pé. Assim não dá. Não tem ciclovia e não é seguro”

Amanhã pode ser eu, pode ser a Nina.

Estou arrasada.

Este foi um simples desabafo educado…

Captura de Tela 2015-09-16 às 14.36.19

FORÇA para o filho de Elisangelo Lobo de Barros
FORÇA para Emil Böner, companheiro de Johanna Eklö

Captura de Tela 2015-09-16 às 14.53.13

LINKS :

Motorista que atropelou suecos estava a mais de 100 Km/h, diz polícia

Ciclista morre após ser atropelado por caminhão no centro de SP

Captura de Tela 2015-09-13 às 10.34.20 Las Magrelas  bike anjo Sampa Pe quadrado

Silvia Ballan, mãe,ciclista, bike anjo,  bikerrepórter do Instituto CicloBR e colaboradora do Bike é Legal da Renata Falzoni, mãe de Nina, 7, Bia, 16, acredita na educação das crianças em espaços públicos, na rua, na troca … As crianças e adultos são capazes e possuem habilidades para descobrir problemas e solucioná-los de maneira consciente quando conhecem e vivem a cidade.

“Se queremos uma pessoa melhor, cuidamos da criança. Se queremos um cidadão, levamos os pequenos a viver a cidade”, afirma Silvia.

UM DOS NOSSOS OBJETIVOS: mostrar que mãe, filhos, mulher, familias inteiras podem pedalar pela cidade. Não é necessário usar roupas específicas ou ser atleta. 

cheguei_de_bike_positivo-copy Captura de Tela 2015-02-12 às 17.07.50Captura de Tela 2014-12-30 às 23.05.28Captura de Tela 2015-08-13 às 16.22.10

Anúncios
Galeria | Esse post foi publicado em NOTÍCIAS. Bookmark o link permanente.

2 respostas para Levar o filho pra escola não pode ser um ato de coragem

  1. Camila Oliveira disse:

    Sem palavras, só tristeza, imensa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s