Ciclistas na REVISTA CLAUDIA de abril

Pela primeira vez li uma entrevista minha e não me identifiquei de cara. OK. Depois li e reli e percebi que o texto ficou legal.

Um breve resumo da matéria aqui, Eu e Gabi Vuolo. Gabi falou de bike e eu de desapego, TUDO A VER né?

Leiam 🙂

beijos e abraços Silvia

MINHA ENTREVISTA TRADUZIDA PARA O “BICICLETÊS” (brincadeirinhaaaaaaa)

Eu costumava comprar cacarecos em lojas diversas. Eram horas e grana perdida. Em 2012 quando voltei da Rio+20 após uma ação no morro do alemão, olhei pro meu apto e senti que não precisava de toda aquela tranqueira. Aos poucos fui me livrando de tudo.

Hoje percebo que passo mais tempo com as minhas filhas, cozinhamos juntas e vivemos muito melhor.

Enquanto tem adultos que trabalham e ralam longe dos filhos pra encher a despensa de bolinho Bauducco à 6 reais 200g, eu entro na cozinha com as meninas e faço 1 kilo de bolo de banana à 4 reais. Ganho tempo, saúde e muito mais qualidade de vida.

Resumi 😛

é isso. Vejam na Revista Claudia deste mês no texto da Liliane Prata a matéria Completa 😉

IMG_8616

IMG_8614      IMG_8612

Captura de Tela 2015-09-13 às 10.34.20 Las Magrelas  bike anjo Sampa Pe quadrado  logo-bce46fba8e10112b7cf38bcd469ffa5f   Captura de Tela 2015-05-17 às 21.19.35

Silvia Ballan, mãe,ciclista, bike anjo,  bikerrepórter do Instituto CicloBR e colaboradora do Bike é Legal da Renata Falzoni, mãe de Nina, 7, Bia, 16, acredita na educação das crianças em espaços públicos, na rua, na troca … As crianças e adultos são capazes e possuem habilidades para descobrir problemas e solucioná-los de maneira consciente quando conhecem e vivem a cidade.

“Se queremos uma pessoa melhor, cuidamos da criança. Se queremos um cidadão, levamos os pequenos a viver a cidade”, afirma Silvia.

UM DOS NOSSOS OBJETIVOS: mostrar que mãe, filhos, mulher, familias inteiras podem pedalar pela cidade. Não é necessário usar roupas específicas ou ser atleta. 

Anúncios
Galeria | Esse post foi publicado em consumo consciente, EDUCAÇÃO, NOTÍCIAS e marcado , , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para Ciclistas na REVISTA CLAUDIA de abril

  1. Parabéns, as duas, muito bom conhecer voces e o exemplo de vida que são!

  2. laurafuser disse:

    Senti falta de uma reflexão sobre quem mora em bairros distantes, sem caminhos seguros para bike, sem um escritório com chuveiro para quando chegar no trabalho – relativizando a afirmação de que “famílias podem pedalar pela cidade” De que cidade estamos falando?
    Moro num bairro distante da Zona Sul de São Paulo e depois de 32 anos, decidi que um carro seria um belo ganho de qualidade de vida. Não precisaria passar de 2h a 3h nos 3 ônibus para chegar na Augusta. Não precisaria me arriscar pedalando na lotada, esburacada e sem vários trechos com calçada do corredor norte-sul, partindo da Av. Interlagos. Não precisaria carregar a bike na mão por 2km para garantir minha segurança até chegar na ciclovia da Marginal, de onde teria que partir a procura de um chuveiro no escritório (o que não existe, mesmo sendo um co-working super moderninho) já que o suor é inevitável num caminho que demora 2h à pé + bike. Pode ser mais rápido, sim, desde que caiba uma bike no trem (…… #sqn).
    Isso porque, olhando no mapa, estou na metade da zona sul de Sampa. De casa pro sul, a situação é bem pior…. avenidas de pista única, motoristas que não respeitam nem corredores com radar, motociclistas com pressa para ganhar a próxima corrida.
    Caminhos esses que quase mataram meu irmão, ciclista antigo, por duas vezes. Na primeira, um buraco no canto da avenida quase o jogou para debaixo de um carro. Na segunda, aqui na porta de casa, um fio elétrico, preto, pendurado, à noite, cortou sua garganta… de leve, pois estava devagar.
    Convido quem conheça uma solução segura para essa situação a tomar um suco em casa antes de tentar o trajeto.
    Abração a todas.

    • silviaenina disse:

      Perfeito seu relato Laura. É bonito e romantico falar quando se mora a 6 Km do centro. Perifa é outra coisa, longe outra, extremos outra…. não podemos comparar bairros numa cidade tnao complexa que parece ter tantas cidades em uma.Cada bairro com sua particularidade boa e ruim. Aqui onde moro tem ruas que nnao dá pra pedalar, mesmo tendo ciclovia a 2km. Parece piada, pra eu chagar na ciclovia com a minha filha tenho chances de ser atropelada. Não tá facil porem possível. Tem que ter muita força de vontade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s